Notícias

IMPORTÂNCIA E MÉTODOS DE TROCA DAS ABELHAS RAINHAS

Publicada em 05/01/2015

IMPORTÂNCIA E MÉTODOS DE TROCA DAS ABELHAS RAINHAS

A renovação das rainhas é diferente da sua substituição natural e esporádica, realizada em função de problemas como orfandade ou notório mau desempenho de alguma rainha.

Podemos trocar todas ou uma determinada porcentagem das rainhas a intervalos de tempo e em época prefixada.

Com este procedimento, se homogeniza o desenvolvimento e o desempenho das colmeias e se previne ocorrências que se traduzem em perda de produção e, até mesmo, de colônias.

Evita-se, inclusive, a enxameação, o abandono e a eliminação de rainhas pelas próprias abelhas.

Além disto, rainhas jovens são, em média, mais proliferas do que rainhas mais velhas. Assim, os enxames se desenvolvem mais rapidamente e atingem maiores populações, aproveitando melhor as floradas.

O Projeto Rainha Prodapys fornece rainhas não fecundadas e marcadas com a cor específica referente o ano de seu nascimento.

1. MÉTODOS DE INTRODUÇÃO

Há diversos métodos de introdução de rainhas em uma colmeia:

1- Introdução em colmeia com orfanação antecipada

2- Introdução imediata no momento da orfanação da colmeia

3- Divisão de enxames com introdução de rainha

4- Introdução da rainha em um núcleo com posterior reintrodução de todo o núcleo em uma colmeia, após a fecundação da rainha.

I – ORFANAÇÃO DA COLMÉIA

Esta operação pode muitas vezes, ser difícil pois a rainha procura abrigo nos locais mais escuros da colmeia ou dos favos, ou ainda, são encobertas pelas nutrizes.

. Para facilitar a procura, recomenda-se:

1. Fazer este trabalho nas primeiras horas da manhã, quando as abelhas campeiras já saíram e há menor atividade, dentro da colmeia.

2- Estar munido de um ninho vazio para ir colocando os favos examinados e um outro ninho vazio, coberto por uma tela excluidora.

3. Colocar fumaça somente sobre os favos e na menor quantidade possível para não alertar a rainha.

4- Começar o exame dos favos pelo centro ou pelo favo onde as abelhas estejam mais concentradas, retirando suavemente e examinar os dois lados do quadro, pois provavelmente, a rainha estará ali.

4- Se não encontrar a rainha após examinar todos os quadros, peneirar todas as abelhas com o auxílio da tela excluidora que está sobre o ninho vazio. A rainha será encontrada sobre a tela...

OBS. Ao encontrar a rainha, esta poderá ser engaiolada para servir de atração na procura da rainha em outra colmeia, colocando-se a gaiola com a rainha aprisionada, sobre os quadros de uma outra colmeia que se queira procurar a rainha.

Feche a colmeia e espere alguns minutos e ao reexaminar a colmeia, normalmente encontrará a rainha sobre a gaiola da rainha aprisionada.

1- Introdução de Rainha em colmeia com orfanação antecipada

A orfanação deverá ser feita com um mínimo de 24 horas de antecedência.

No momento da orfanação, revisar todos os quadros, eliminando possíveis realeiras e trocando os favos velhos por cera alveolada. Use sempre lâminas inteiras. Só use tira quando tiver intenção de produzir zangão.

A gaiola com a nova rainha deverá ser fixada entre os quadros de cria, tomando o cuidado para que o canal de saída da rainha e que está cheio de candi, fique na horizontal e nunca virado para baixo, pois a rainha poderá se afogar no candi ao tentar abrir caminho para sair.

OBS.

a) Sempre virar o alvado da colméia, ao contrário do alvado das outras colméias, diferenciando das demais para facilitar o retorno seguro da nova rainha assim que sair para o vôo de fecundação.

Poderá melhorar a marcação para a nova rainha, pondo uma pedra, um pedaço de pau, etc , sobre a colmeia.

Muitas rainhas se perdem, quando ao retornarem, entram em uma colmeia errada.

b) Se a orfanação tiver acontecido em prazo superior a 24 horas é extremamente importante, verificar se as abelhas não fizeram realeiras. Se houver realeira, a chance de aceitação da nova rainha é praticamente zero.

c) Só volte a examinar a colméia com a nova rainha, 07 dias após, para verificar se a nova rainha foi aceita e se já há postura.

2- Introdução imediata de Rainha após a orfanação da colmeia.

Após matar a rainha velha, esfregue o corpo dela e principalmente as patas na gaiola da nova rainha para que seu feromônio fique impregnado na gaiola.

O corpo da rainha morta deve ser colocado no fundo da colmeia para que as abelhas, ao fazerem a retirada do cadáver, percebam que a colmeia está órfã.

Os outros procedimentos são iguais ao descrito no anterior.

3- Divisão de enxames

Formar um novo núcleo da seguinte maneira:

01 quadro com mel

01 quadro com pólen

01 quadro com cria aberta

02 quadros com cria fechada.

Os quadros deverão vir com o máximo de abelhas nutrizes (abelhas aderentes).

Não interessa, neste momento, abelhas campeiras

Os núcleos poderão ser formados por quadros com abelhas nutrizes (aderentes) de diferentes colmeias.

Isto facilita a aceitação da nova rainha.

É importante a presença de 01 quadro de cria aberta, pois desta maneira, as nutrizes ficam alimentando as larvas e evita-se a possibilidade de no momento do vôo nupcial, por não ter nenhuma atividade na colmeia, possam todas as abelhas abandonarem a colmeia como se fosse uma enxameação.

A introdução da nova rainha poderá ser feita no momento da montagem do núcleo.

Se o núcleo for montando com antecedência, não esquecer de verificar a presença de possíveis realeiras.

O ideal é que a introdução de uma nova rainha seja feita nas primeiras horas após a montagem do núcleo.

4- Reintrodução de núcleos em uma colmeia

O núcleo, após a introdução da rainha e verificação da fecundação, poderá crescer para formar uma nova colmeia ou poderá ser introduzido totalmente no centro de uma colmeia que se queira trocar a rainha.

Os quadros velhos devem ser eliminados para dar espaço para os quadros do núcleo.

Normalmente a rainha nova eliminará a rainha velha, mas este procedimento não é muito recomendável, pois muitas vezes, na luta entre as 02 rainhas, a rainha nova pode ficar ferida ou pode até morrer.

O ideal é que se ache a rainha velha para orfanar a colméia, antes de introduzir.

CAUSAS DE INSUCESSO NA INTRODUÇÃO E FECUNDAÇÃO DE RAINHAS

1 - Demora na introdução da nova rainha. Lembre-se que as rainhas não fecundadas tem um tempo limitado para serem fecundadas.

No máximo até 07 dias após seu nascimento.

Passado este tempo, tornam-se inférteis.

2 - Mau tempo, baixa temperatura, vento, chuva.

As rainhas só fazem o vôo de fecundação com tempo bom.

3 - Presença de uma rainha, realeiras ou operárias zanganeiras na colmeia.

4 - Ausência de abelhas nutrizes. Abelhas campeiras dificultam a aceitação de uma nova rainha.

5- Irritação da colônia no momento da introdução;

6- Traumatismos na rainha, decorrentes do mau manuseio (sacolejo ou exposição ao sol).

OBS. É extremamente importante por 01 gota de água na gaiola, ao transportar a rainha por longa distância para que a rainha e suas acompanhantes não definhem por causa da sede

7- Ocorrência de predadores durante o vôo nupcial.

8- Extravio da rainha no retorno do vôo de fecundação, por mal sinalização da colmeia.

9- Excesso de fumaça durante as manipulações.

10- Abertura da colmeia antes do prazo recomendado.

ÉPOCAS MAIS RECOMENDAVEIS PARA A TROCA DE RAINHAS

As rainhas podem ser trocadas:

1) Antes do início das floradas (pelo menos 20 dias antes).

 O inconveniente é que:

a) Nesta época há poucos zangões para fecundar a nova rainha.

b) Se, por algum motivo, não houver sucesso na troca da rainha e você tiver que repetir a operação, seguramente vai perder parte da produção de ml.

2) Logo após o término da safra.

São diversas as vantagens da substituição nesta época:

a) O apicultor sabe perfeitamente quais as colmeias com menor produção e que deverão ter suas rainhas substituídas.

b) No final da safra, há grande quantidade de zangões, possibilitando uma melhor fecundação da nova rainha.

c) Uma rainha nova tem maior resistência para sobreviver ao inverno (entressafra), do que uma rainha velha e debilitada

d) Se houver insucesso na introdução da nova rainha, você pode repetir o processo sem ter qualquer perda de mel, o que seguramente acontecerá se a troca for feita pouco antes do início da safra.

d) Como não há grande postura durante a entressafra, a vida útil da nova rainha inicia-se a partir da próxima safra.

e) No início da nova safra, a nova rainha iniciará a postura com capacidade total.

Katia Eloiza HeepBióloga Prodapys

Célio H.M. Silva - Farmacêutico Bioquímico e Diretor Prodapys

Galeria

Fale Conosco

Entre em contato conosco, clique aqui